Janelas entreabertas entre dois mundos
Entre dois mundos desiguais, distantes
Na penumbra das noites sem inicio, sem fim
Nos momentos devidos, contidos, em sí
Indiferente as regras, a mandamentos
Fatos corriqueiros, distante de nossos defeitos
Entre almas simpatizantes, imperfeitas, cativantes
Respeito entre corpos, sedentos, rarefeitos…

Instantes em que vivemos, entre quatro paredes
Sob escombros de nosso passado, se escondendo de nossos fantasmas
Ante o medo de confrontar nossos medos
Bestiais e indecorosos, que se mostram diante de nossas faces
E buscamos cada vez um esconderijo maior
Levantando paredes e muralhas a nossa volta
E entre barras de um medo solido, ocultamos nosso pensar…

Medo da vida? Medo da morte?
Um medo inconsciente, de saber a verdade
Latente dentro de nossos corpos, de nossa mente
Latente como a brasa de uma fogueira, crepitante, quente
Encontramos realmente a paz? Encontramos a felicidade?
Reles paz que não nos motiva, a fazer nada?

A verdade que se esconde em nossos corpos
Lamentaveis, feridos por guerras travadas em nosso interior
Mentiras que acreditamos, por tornar nossa vida melhor
E não percebemos, nos detalhes a nossa volta
Intermitentes, como outdoors de estrada
Do fundo de nossa alma cansada
A real verdade, a liberdade de sermos apenas nós mesmos, de sermos realmente felizes

Nos entregando a queda livre e libertando nossos sonhos….

Fer Dobasi

Anúncios