You are currently browsing the monthly archive for junho 2008.

Retornar a escrever. Uma dificuldade? Uma barreira?

Qual a maior  dificuldade de voltar a escrever  de um escritor?

Seria a falta de tempo dos dias corridos, ou a falta de interesse das pessoas em assuntos que possam ser edificantes e até mesmo elevar o conhecimento do leitor?

Hoje só há interesse por coisas que trazem polemica, ou que são modismos. Não há muitas discussões relevantes.

Mas e daí pelo menos 1 a cada dez pode parar para ler e se a preguiça não for muita, levantar uma discussão salutar sobre o assunto.

Danton Cimitge

Anúncios

Devido a falta de cadastro, estaremos adiando por 10 dias o sorteio do Pen Drive de 1 gb Kingston. Caso neste prazo, não houverem mais participações, estaremos então realizando o sorteio entre a pessoas adcionadas já. Veja mais informações a respeito do sorteio aqui!

Se você é fã de musica, e sente falta de uma boa musica na internet, quando está trabalhando, então temos dois links interessantes. o Primeiro é o:

Logo

Essa é a nova ferramenta de pesquisa da Google. Agora com o Discovery Music fica muito mais fácil e seguro baixar musicas da net, sem ter que apelar para programas P2P ou torrents.
Lançado em 11 de Março, a nova ferramenta faz buscas utilizando o mesmo sistema de buscas convencional do Google para encontrar arquivos, e atraves de algumas variáveis acrescentadas ao termo que se esta procurando todos os arquivos .mp3 disponiveis na net ficam a sua disposição.

Outra ferramenta, é uma rádio online que você pode escolher a década de seu estilo de musica preferido:

discovery O título “Musicovery”, é uma aglutinação das palavras de língua inglesa “music” (música) e “discovery” (descoberta), e é justamente esta a proposta do site em questão: ajudar você a ampliar seus horizontes musicais e a encontrar e conhecer todo tipo de música.
Com um sistema pra lá de interativo, a rádio online permite ao usuário começar a escutar músicas de acordo com a sua preferência sem ter que gastar muito tempo com complicações e nem configurando nada.
Assim que for feita a escolha de um gênero, a rádio já começa a tocar. Porém, se você deseja ser mais específico, pode obter melhores resultados escolhendo mais 3 parâmetros: ritmo, estado de espírito e época.
Adicione os ingredientes para uma boa degustação sonora
São, ao todo, 18 estilos musicais oferecidos, relacionados a partir de um espectro de cores variadas. A princípio, todos estão selecionados para tocar na sua rádio, mas, se por algum motivo um estilo musical não lhe agrade, é só desmarcá-lo para fazer músicas relacionadas a ele não tocarem mais.
Na linha do tempo, é possível demarcar a época das canções que serão tocadas, da maneira que você quiser: restringir a escolha a apenas uma década ou então deixar tocando só músicas do novo milênio.
Para adicionar um tempero em sua salada musical, você seleciona o estado de espírito, dentro de um retângulo dividido em quatro extremos — Dark (obscuro), Calm (calmo), Positive (positivo) e Energetic (energético).
Nesse quadro, a experimentação pode ser maior, já que se escolhe pontos variáveis que combinam os tipos de energia relacionadas aos sons. Se você quer escutar músicas para meditar ou para dançar, é só mudar as batidas e o ritmo para mais ou menos, escolhendo trilhas sonoras de agitação ou relaxamento para se encaixarem de acordo com as ocasiões.
O sistema de cores e um outro semelhante à emissão de ondas são excelentes para auxiliar o usuário a sempre saber em que praia está navegando. Tudo o que você escolheu vai estar destacado, facilitando a assimilação da interface.


“É melhor acender uma vela que amaldiçoar a escuridão.”

Confúcio


Ser Feliz é Uma Decisão

Uma senhora de 92 anos, delicada, bem vestida, com o cabelo bem penteado e um semblante calmo, precisou se mudar para uma casa de repouso.
 
Seu marido havia falecido recentemente e a mudança se fez necessária, pois ela era deficiente visual e não havia quem pudesse ampará-la em seu lar.
 
Uma neta dedicada a acompanhou.
 
Após algum tempo aguardando pacientemente na sala de espera, a enfermeira veio avisá-las que o quarto estava pronto.
 
Enquanto caminhavam, lentamente, até o elevador, a neta, que já havia vistoriado os aposentos, fez-lhe uma descrição visual de seu pequeno quarto, incluindo as flores na cortina da janela.
 
A senhora sorriu docemente e disse com entusiasmo: Eu adorei!
 
Mas a senhora nem viu o quarto… Observou a enfermeira.
 
Ela não a deixou continuar e acrescentou:
 
A felicidade é algo que você decide antes da hora. Se eu vou gostar do meu quarto ou não, não depende de como os móveis estão arranjados, e sim de como eu os arranjo em minha mente.
 
E eu já me decidi gostar dele…
 
E continuou: é uma decisão que tomo a cada manhã quando acordo. Eu tenho uma escolha, posso passar o dia na cama remoendo as dificuldades que tenho com as partes de meu corpo que não funcionam há muito tempo, ou posso sair da cama e ser grata por mais esse dia.
 
Cada dia é um presente, e meus olhos se abrem para o novo dia das memórias felizes que armazenei…
 
A velhice é como uma conta no banco, minha filha… De onde você só retira o que colocou antes.
 
……………………………………
 
A lição de uma pessoa idosa e sem a visão dos olhos físicos é de grande profundidade e contém ensinamentos valiosos.
 
E o primeiro deles é que a felicidade é uma decisão pessoal.
 
Depende mais da nossa disposição mental do que das circunstâncias que nos rodeiam.
 
Cada pessoa tem, na intimidade, o potencial de armazenar as belezas que deseja ver em sua tela mental, ainda que ao seu redor a paisagem seja deprimente.
 
Para isso é preciso construir um mundo de felicidade nesse banco de lembranças que Deus ofereceu a cada um de seus filhos.
 
E quando se constrói um mundo de paz e felicidade, portas à dentro da alma, é possível compartilhar essa realidade com aqueles que nos cercam.
 
Assim é que se não temos em nossa vida os enfeites que desejamos, arranjemos tudo isso em nossa mente. É uma forma de ver as coisas com olhar positivo e otimista.
 
Além disso, como toda criação começa na mente, é bem possível que venhamos a concretizar esse sonho alimentado na alma.
 
Se você ainda não havia pensado nessa possibilidade, pense agora.
 
Comece, sem demora, a depositar felicidade na conta do banco das suas lembranças, para poder resgatar sempre que desejar.
 
Se você abrir a janela, pela manhã, e seus olhos físicos puderem ver apenas paisagens deprimentes, abra as janelas da alma e contemple um jardim em flor.
 
Respire fundo e sinta o perfume de jasmim, de rosas e cravos, ouça o canto dos pássaros que voam, ligeiros, pelo ar.
 
Perceba a brisa acariciando seu rosto, e curta a melodia dos grilos e cigarras que cantam para alegrar suas horas.
 
Decida ser feliz, ainda que seja uma felicidade que só você pode sentir. E lembre-se sempre: a felicidade não depende de como as coisas estão arranjadas, mas de como você as arranja na sua mente.
 

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base na história da Sra. Maurine Jones, contada por Cheri Pape disponível no site: http://www.soberrecovery.com/forums/showthread-9941.html

Cantora nascida no País de Gales que ficou famosa nos anos 70 com as músicas “It’s a Heartache” e “Lost In France”, já famosa pelo seu trabalho com Meat Loaf, o resultado foi a épica balada Total Eclipse Of The Heart com a qual ela tornou-se a única artista galesa a colocar uma música no número 1 no Reino Unido e Estados Unidos ao mesmo tempo.

Total Eclipse Of The Heart (tradução)

Bonnie Tyler

Composição: Indisponível

Um Eclipse Total do CoraçãoMudança de rumo,
De vez em quando eu fico um pouquinho solitária
E você nunca está por perto.

Mudança de rumo,
De vez em quando eu fico um pouquinho cansada
De escutar som das minhas lágrimas.

Mudança de rumo,
De vez em quando eu fico um pouquinho nervosa
Porque o melhor de todos os anos se passaram.

Mudança de rumo,
De vez em quando eu fico um pouquinho apavorada
E então eu percebo a expressão nos seus olhos.

Mudança de rumo, olhos brilhantes,
De vez em quando eu caio aos pedaços,
Mudança de rumo, olhos brilhantes,
De vez em quando eu caio aos pedaços.

Mudança de rumo,
De vez em quando eu fico um pouquinho impaciente
E sonho com alguma coisa louca.

Mudança de rumo,
De vez em quando eu fico um pouquinho desamparada
E fico repousando como uma criança em seus braços.

Mudança de rumo,
De vez em quando eu fico um pouquinho furiosa
E sei que tenho de sair e gritar.
Mudança de rumo,
De vez em quando eu fico um pouquinho apavorada
E então eu percebo a expressão nos seus olhos.

Mudança de rumo, olhos brilhantes,
De vez em quando eu caio aos pedaços,
Mudança de rumo, olhos brilhantes,
De vez em quando eu caio aos pedaços.

E eu preciso de você esta noite,
E eu preciso de você mais do que nunca.
E se você apenas me segurar forte
Nós ficaremos persistindo para sempre
E nós estaremos apenas fazendo o correto,
Pois nunca estaremos errados, juntos
Nós podemos agüentar até o fim do caminho.
Seu amor é como uma sombra sobre mim o tempo todo,
Eu não sei o que fazer e estou sempre no escuro.
Nós estamos vivendo num barril de pólvora e soltando faíscas.
Eu realmente preciso de você esta noite,
A eternidade vai começar esta noite,
A eternidade vai começar esta noite.

“era uma vez” eu estava me apaixonando,
Mas agora estou apenas caindo aos pedaços.
Não há nada que eu possa fazer,
Um eclipse total do coração.
“era uma vez” havia luz na minha vida,
Mas agora existe apenas amor na escuridão.
Nada que eu possa dizer,
Um eclipse total do coração.

Instrumental

Mudança de rumo, olhos brilhantes,
Mudança de rumo, olhos brilhantes.
Mudança de rumo,
De vez em quando percebo que você nunca será
O rapaz que você sempre quis ser.

Mudança de rumo,
De vez em quando percebo que você sempre será
O único rapaz que me quis do modo como eu sou.

Mudança de rumo,
De vez em quando percebo que não existe ninguém
No universo tão mágico e fantástico quanto você.

Mudança de rumo,
De vez em quando percebo que não existe nada
Melhor e não há nada que eu simplesmente não faria.

Mudança de rumo, olhos brilhantes,
De vez em quando eu caio aos pedaços,
Mudança de rumo, olhos brilhantes,
De vez em quando eu caio aos pedaços.

E eu preciso de você esta noite,
E eu preciso de você mais do que nunca.
E se você apenas me segurar forte
Nós ficaremos persistindo para sempre,
E nós estaremos apenas fazendo o correto,
Pois nunca estaremos errados, juntos
Nós podemos agüentar até o fim do caminho.
Seu amor é como uma sombra sobre mim o tempo todo,
Eu não sei o que fazer e estou sempre no escuro.
Estamos vivendo num barril de pólvora e soltando faíscas.
Eu realmente preciso de você esta noite,
A eternidade vai começar esta noite,
A eternidade vai começar esta noite.

“era uma vez” eu estava me apaixonando,
Mas agora estou apenas caindo aos pedaços.
Não há nada que eu possa fazer,
Um eclipse total do coração.
“era uma vez” havia luz na minha vida,
Mas agora existe apenas amor na escuridão.
Nada que eu possa dizer,
Um eclipse total do coração…

 

– Bom dia, disse o principezinho.
– Bom dia, respondeu o guarda-chaves.
– Que fazes aqui! perguntou-lhe o principezinho.
– Eu divido os passageiros em blocos de mil, disse o guarda-chaves. Despacho os trens que os carregam, ora para a direita, ora para a esquerda.
 
E um rápido iluminado, roncando como um trovão, fez tremer a cabine do guarda-chaves.
 
– Eles estão com muita pressa, disse o principezinho. O que é que estão procurando?
– Nem o homem da locomotiva sabe, disse o guarda-chaves.

E trovejou, em sentido inverso, um outro rápido iluminado.
 
– Já estão de volta? perguntou o principezinho…
– Não são os mesmos, disse o guarda-chaves. É uma troca.
– Não estavam contentes onde estavam?
– Nunca estamos contentes onde estamos, disse o guarda-chaves.
– E um terceiro rápido, iluminado, trovejou.
– Estão perseguindo os primeiros viajantes? perguntou o principezinho.
– Não perseguem nada, disse o guarda-chaves. Estão dormindo lá dentro, ou bocejando. Só as crianças esmagam o nariz nas vidraças.
– Só as crianças sabem o que procuram, disse o principezinho. Perdem tempo com uma boneca de pano, e a boneca se torna muito importante, e choram quando a gente toma…
– Elas são felizes… disse o guarda-chaves.

Pen Drive Kingston 1gb – Concorra Grátis

Participe de nosso sorteio para concorrer a uma PenDrive Kingston de 1Gb. Veja abaixo como Participar:

O Pen Drive será entregue como correspondencia comum, através de encomenda nos Correios. Após o sorteio, será enviado um e-mail para o ganhador explicando a forma de envio.

Regras de Participação:

1 – Escolha um post no blog Inatitude, e divulgue o mesmo em seu blog/site, com um link para o original. Pode ser qualquer um dos mais de 500 posts já publicados pela equipe do Inatitude.

2 – Deixe um comentário aqui, no post do concurso, com seu nome, e-mail e blog/site, com um link para o post de seu site onde você divulgou uma informação do Inatitude.

3 – Após a confirmação de seu post, iremos enviar um e-mail validando sua participação no concurso, com um número que será o seu número para o sorteio.

4 – O sorteio será gravado em video e será disponibilizado para todos através do site Inatitude.

A data do concurso vai a partir da publicação deste post, até o dia 22/06/2008, as 21:00, quando serão computados todos os nomes e divulgada a lista dos participanes.

Na data de 23/06/2008, as 21:00, será publicado o video com o sorteio, e divulgado o ganhador da Pen Drive Kignston 1gb.

O sorteio será feito eletronicamente, através de algoritmos para sorteio aleatorio de um numero.

O premio será entregue em sua embalagem original, e embalado como encomenda nos correios, para evitar qualquer impacto que possa danificar o produto.

O Site Inatitude não se responsabiliza em trocar o premio, caso ele venha com algum problema de fábrica, já que entregaremos o produto lacrado em sua embalagem original, sem nenhum tipo de violação.

O site Inatitude deseja a todos uma boa sorte, e agradece a toda divulgação feita de seus assuntos, tutoriais e serviços.

Existem diferentes versões sobre a origem do dia dos namorados.

É bem provável que a festa dos namorados tenha sua origem em um festejo romano: a Lupercália. Em Roma, lobos vagavam próximos às casas e um dos deuses do povo romano, Lupercus, era invocado para manter os lobos distantes. Por essa razão, era oferecido um festival em honra a Lupercus, no dia 15 de fevereiro. Nesse festival, era costume colocar os nomes das meninas romanas escritos em pedaços de papel, que eram colocados em frascos. Cada rapaz escolhia o seu papel e a menina escolhida deveria ser sua namorada naquele ano todo.

O dia da festa se transformou no dia dos namorados, nos EUA e na Europa, o Valentine’s Day, 14 de fevereiro, em homenagem ao Padre Valentine. Em 270 a.C., o bispo romano Valentino desafiou o imperador Claudius II que proibia que se realizasse o matrimônio e continuou a promover casamentos. Para Claudius, um novo marido significava um soldado a menos. Preso, enquanto esperava sua execução, o bispo Valentine se apaixonou pela filha cega de seu carcereiro, Asterius. E, com um milagre, recuperou sua visão. Para se despedir, Valentine escreveu uma carta de amor para ela. Foi assim que surgiu a expressão em inglês “From your Valentine”. Mesmo tido como santo pelo suposto milagre, ele foi executado em 14 de fevereiro.

O feriado romântico ou o dia dos namorados judaico: desde tempos bíblicos, o 15º dia do mês hebreu de Av tem sido celebrado como o Feriado do Amor e do Afeto. Em Israel, tornou-se o feriado das flores, porque neste dia é costume dar flores de presente a quem se ama. Previamente, era permitido às pessoas só se casar com pessoas da sua própria tribo. De certo modo, era um pouco semelhante ao velho sistema de castas na Índia. O 15 de Av se tornou o Feriado de Amor, um feriado judeu reconhecido durante os dias do Segundo Templo. Em tempos bíblicos, o Feriado do Amor era celebrado com tochas e fogueiras. Hoje em dia, em Israel, é costume enviar flores a quem se ama ou para os parentes mais íntimos. A significação e a importância do feriado aumentaram em anos recentes. Canções românticas são tocadas no rádio e festas ‘Feriado do Amor’ são celebrados à noite, em todo o país. (Jane Bichmacher de Glasman, autora do livro “À Luz da Menorá”).

No Brasil, a gênese da data é menos romântica. Alguns a atribuem a uma promoção pioneira da loja Clipper, realizada em São Paulo em 1948. Outros dizem que o Dia dos Namorados foi introduzido no Brasil, em 1950, pelo publicitário João Dória, que criou um slogan de apelo comercial que dizia “não é só com beijos que se prova o amor”. A intenção de Dória era criar o equivalente brasileiro ao Valentine’s Day – o Dia dos Namorados realizado nos Estados Unidos. É provável que o dia 12 de junho tenha sido a data escolhida porque representa uma época em que o comércio de presentes não fica tão intenso. A idéia funcionou tão bem para os comerciantes, que desde aquela época, o Brasil inteiro comemora anualmente a data. Outra versão reverencia a véspera do dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro.

Adaptação: Lilian Russo
(Fontes: Revista Época, edição 160/2001; IBGE Teen e Revista Eletrônica Rio Total)

E foi então que apareceu a raposa:

– Boa dia, disse a raposa.
– Bom dia, respondeu polidamente o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
– Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira…
– Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita…
– Sou uma raposa, disse a raposa.
– Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste…
– Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. não me cativaram ainda.
– Ah! desculpa, disse o principezinho.

Após uma reflexão, acrescentou:

– Que quer dizer “cativar”?
– Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
– Procuro os homens, disse o principezinho. Que quer dizer “cativar”?
– Os homens, disse a raposa, têm fuzis e caçam. É bem incômodo! Criam galinhas também. É a única coisa interessante que fazem. Tu procuras galinhas?
– Não, disse o principezinho. Eu procuro amigos. Que quer dizer “cativar”?
– É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa “criar laços…”
– Criar laços?
– Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo…
– Começo a compreender, disse o principezinho. Existe uma flor… eu creio que ela me cativou…
– É possível, disse a raposa. Vê-se tanta coisa na Terra…
– Oh! não foi na Terra, disse o principezinho.

A raposa pareceu intrigada:

– Num outro planeta?
– Sim.
– Há caçadores nesse planeta?
– Não.
– Que bom! E galinhas?
– Também não.
– Nada é perfeito, suspirou a raposa.

Mas a raposa voltou à sua idéia.

– Minha vida é monótona. Eu caço as galinhas e os homens me caçam. Todas as galinhas se parecem e todos os homens se parecem também. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra.
O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo…

A raposa calou-se e considerou por muito tempo o príncipe:

– Por favor… cativa-me! disse ela.
– Bem quisera, disse o principezinho, mas eu não tenho muito tempo. Tenho amigos a descobrir e muitas coisas a conhecer.
– A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não têm mais tempo de conhecer alguma coisa. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!
– Que é preciso fazer? perguntou o principezinho.
– É preciso ser paciente, respondeu a raposa. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas, cada dia, te sentarás mais perto…

No dia seguinte o principezinho voltou.

– Teria sido melhor voltares à mesma hora, disse a raposa. Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração… É preciso ritos.
– Que é um rito? perguntou o principezinho.
– É uma coisa muito esquecida também, disse a raposa. É o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias; uma hora, das outras horas. Os meus caçadores, por exemplo, possuem um rito. Dançam na quinta-feira com as moças da aldeia. A quinta-feira então é o dia maravilhoso! Vou passear até a vinha. Se os caçadores dançassem qualquer dia, os dias seriam todos iguais, e eu não teria férias!

Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:

– Ah! Eu vou chorar.
– A culpa é tua, disse o principezinho, eu não queria te fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse…
– Quis, disse a raposa.
– Mas tu vais chorar! disse o principezinho.
– Vou, disse a raposa.
– Então, não sais lucrando nada!
– Eu lucro, disse a raposa, por causa da cor do trigo.

Depois ela acrescentou:

– Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua é a única no mundo. Tu voltarás para me dizer adeus, e eu te farei presente de um segredo.

Foi o principezinho rever as rosas:

– Vós não sois absolutamente iguais à minha rosa, vós não sois nada ainda. Ninguém ainda vos cativou, nem cativastes a ninguém. Sois como era a minha raposa. Era uma raposa igual a cem mil outras. Mas eu fiz dela um amigo. Ela á agora única no mundo.

E as rosas estavam desapontadas.

– Sois belas, mas vazias, disse ele ainda. Não se pode morrer por vós. Minha rosa, sem dúvida um transeunte qualquer pensaria que se parece convosco. Ela sozinha é, porém, mais importante que vós todas, pois foi a ela que eu reguei. Foi a ela que pus sob a redoma. Foi a ela que abriguei com o pára-vento. Foi dela que eu matei as larvas (exceto duas ou três por causa das borboletas). Foi a ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se, ou mesmo calar-se algumas vezes. É a minha rosa.

E voltou, então, à raposa:

– Adeus, disse ele…
– Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.
– O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
– Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante.
– Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa… repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
– Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa…
– Eu sou responsável pela minha rosa… repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.

Twittando por ai…

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Musicas – Last.FM

junho 2008
S T Q Q S S D
« maio   jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Links e Selos

Uêba - Os Melhores Links

WWF-Brasil. Cuidando do ambiente onde o bicho vive. O bicho-homem.

Firefox - Download

Quer Divulgar?

Selo Inatitude

Add to Google

BlogBlogs

BlogBlogs
Pingar o BlogBlogs
Adicionar aos Favoritos BlogBlogs

Web Rádio Studio

Visitas

  • 3,198,265 com atitude

In-Atitude Apoia:

Creative Commons License
Inatitude por https://inatitude.wordpress.com esta licença se refere a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.


Creative Commons License
Inatitude por https://inatitude.wordpress.com esta licença se refere a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.



Compras pelo e-mail: prof.medeiros@gmail.com ou através do site:
Adriano Medeiros