You are currently browsing the daily archive for janeiro 15, 2008.

  

Tudo Que Vai

Capital Inicial

Composição: Dado Villa-Lobos, Alvin L., Tony Platão

Hoje é o dia
E eu quase posso tocar o silêncio
A casa vazia.
Só as coisas que você não quis
Me fazem companhia
Eu fico à vontade com a sua ausência
Eu já me acostumei a esquecer

Tudo que vai
Deixa o gosto, deixa as fotos
Quanto tempo faz
Deixa os dedos, deixa a memória
Eu nem me lembro

Salas e quartos
Somem sem deixar vestígio
Seu rosto em pedaços
Misturado com o que não sobrou
Do que eu sentia
Eu lembro dos filmes que eu nunca vi
Passando sem parar em algum lugar.

Tudo que vai
Deixa o gosto, deixa as fotos
Quanto tempo faz
Deixa os dedos, deixa a memória
Eu nem me lembro mais
Fica o gosto, ficam as fotos
Quanto tempo faz
Ficam os dedos, fica a memória
Eu nem me lembro mais

Quanto tempo, eu já nem sei mais o que é meu
Nem quando, nem onde

Tudo que vai
Deixa o gosto, deixa as fotos
Quanto tempo faz
Deixa os dedos, deixa a memória
Eu nem me lembro mais
Fica o gosto, ficam as fotos
Quanto tempo faz
Ficam os dedos, fica a memória
Eu nem me lembro mais

Eu nem me lembro mais…

Leia essa mensagem conectado à internet


“O amor é a força mais abstrata, e também a mais potente, que há no mundo.”

Mahatma Gandhi


Declarar Amor

Demonstrar o amor é uma forma de deixar a vida transbordar dentro do próprio coração.
A maioria das pessoas estabelece datas especiais para manifestar o seu amor pelo outro: é o dia do aniversário, o natal, o aniversário de casamento, o dia dos namorados.
Para elas, expressar amor é como usar talheres de prata: é bonito, sofisticado, mas somente em ocasiões muito especiais.
E alguns não dizem nunca o que sentem ao outro. Acreditam que o outro sabe que é amado e pronto. Não é preciso dizer.
Conta um médico que uma cliente sua, esposa de um homem avesso a externar os seus sentimentos, foi acometida de uma supuração de apêndice e foi levada às pressas para o hospital.
Operada de emergência, necessitou receber várias transfusões de sangue sem nenhum resultado satisfatório para o restabelecimento de sua saúde.
O médico, um tanto preocupado, a fim de sugestiona-la, lhe disse: pensei que a senhora quisesse ficar curada o mais rápido possível para voltar para o seu lar e o seu marido.
Ela respondeu, sem nenhum entusiasmo:
– O meu marido não precisa de mim. Aliás, ele não necessita de ninguém. Sempre diz isto.
Naquela noite, o médico falou para o esposo que a sua mulher não queria ficar curada. Que ela estava sofrendo de profunda carência afetiva que estava comprometendo a sua cura.
A resposta do marido foi curta, mas precisa:
– Ela tem de ficar boa.
Finalmente, como último recurso para a obtenção do restabelecimento da paciente, o médico optou por realizar uma transfusão de sangue direta. O doador foi o próprio marido, pois ele possuía o tipo de sangue adequado para ela.
Deitado ao lado dela, enquanto o sangue fluía dele para as veias da sua esposa, aconteceu algo imprevisível.
O marido, traduzindo na voz uma verdadeira afeição, disse para a esposa:
– Querida, eu vou fazer você ficar boa.
– Por que? Perguntou ela, sem nem mesmo abrir os olhos.
– Porque você representa muito para mim.
Houve uma pausa. O pulso dela bateu mais depressa. Seus olhos se abriram e ela voltou lentamente a cabeça para ele.
– Você nunca me disse isso.
– Estou dizendo agora.
Mais tarde, com surpresa, o marido ouviu a opinião do médico sobre a causa principal da cura da sua esposa.
Não foi a transfusão em si mesma, mas o que acompanhou a doação do sangue que fez com que ela se restabelecesse. As palavras de carinho fizeram a diferença entre a morte e a vida.
…………………………
 
É importante saber dizer: amo você! O gesto carinhoso, a palavra gentil autêntica, a demonstração afetiva num abraço, numa delicada carícia funcionam como estímulos para o estreitamento dos laços indestrutíveis do amor.
É urgente que, no relacionamento humano, se quebre a cortina do silêncio entre as criaturas e se fale a respeito dos sentimentos mútuos, sem vergonha e sem medo.
A pessoa cuja presença é uma declaração de amor consegue criar um ambiente especial para si e para os que privam da sua convivência.
Quem diz ao outro: eu amo você, expressa a sua própria capacidade de amar, mas também, afirmando que o outro é amado, se faz amar e cria amor ao seu redor.

Equipe de Redação do Momento Espírita, a partir do cap. “Ecologia Doméstica”, da obra Pais e Filhos – Companheiros de Viagem, de autoria de Roberto Shinyashiki, ed. Gente, e do texto “A Convivência Humana”, de José Ferraz, extraído da revista Presença Espírita, nº 227, de novembro/dezembro 2001.


Esta mensagem também está disponvel em CD. Clique aqui

These Days (tradução)

Bon Jovi

Composição: Indisponível

Eu estava andando por aí, apenas mais um rosto na multidão
Tentando me esconder da chuva
Vi um mendigo rei usando uma coroa de isopor
Fiquei pensando se acabaria da mesma forma
Tem um homem na esquina, cantando canções antigas sobre mudanças
Todo mundo tem sua cruz para carregar, hoje em dia

Ela surgiu buscando abrigo com uma mala cheia
de sonhos
Em um quarto de motel na bulevar
Creio que ela está tentando ser James Dean
Ela já viu todos os alunos e jovens ambiciosos
Ninguém quer ser ele mesmo hoje em dia
Não há mais nada no que se apoiar hoje em dia

Hoje em dia – as estrelas parecem estar fora do alcance
Hoje em dia – não há uma escada nestas ruas
Hoje em dia – tudo é rápido, o amor não dura nesta era sem beleza
Não sobrou mais ninguém, mas apenas nós hoje em dia

O Jimmy Shoes arrebentou suas pernas, tentando aprender a voar
Da janela do segundo andar, ele simplesmente pulou e fechou seus olhos
Sua mãe disse que ele estava louco – ele disse, “mãe, tenho que tentar”
Você não sabe que todos os meus heróis morreram
E creio que eu preferia morrer do que ser perdido na memória

Hoje em dia – as estrelas parecem estar fora do alcance
Hoje em dia – não há uma escada nestas ruas
Hoje em dia – tudo é rápido, nada dura nesta era sem beleza
Até mesmo a inocência pegou o trem da meia-noite
E não sobrou mais ninguém, mas apenas nós hoje em dia

Eu sei que Roma ainda está queimando
Embora a época tenha mudado
Este mundo fica girando, girando,
girando
Hoje em dia

Hoje em dia – as estrelas parecem estar fora do alcance
Hoje em dia – não há uma escada nestas ruas
Hoje em dia – tudo é rápido, nada dura nesta era sem beleza
Até mesmo a inocência pegou o trem da meia-noite
E não sobrou mais ninguém, mas apenas nós hoje em dia

Hoje em dia – as estrelas parecem estar fora do alcance
Hoje em dia – não há uma escada nestas ruas
Hoje em dia – tudo é rápido, nada dura nesta era sem beleza
Não há tempo a perder
Não sobrou ninguém para tomar a culpa
E não sobrou mais ninguém, mas apenas nós hoje em dia
Não sobrou mais ninguém, mas apenas nós hoje em dia

O quinto planeta era muito curioso. Era o menor de todos. Mal dava para um lampião e o acendedor de lampiões…

O principezinho não podia atinar para que pudessem servir, no céu, num planeta sem casa e sem gente, um lampião e o acendedor de lampiões. No entanto, disse consigo mesmo:

– Talvez esse homem seja mesmo absurdo. No entanto, é menos absurdo que o rei, que o vaidoso, que o homem de negócios, que o beberrão. Seu trabalho ao menos tem um sentido. Quando acende o lampião, é como se fizesse nascer mais uma estrela, mais uma flor. Quando o apaga, porém, é estrela ou flor que adormecem. É uma ocupação bonita. E é útil, porque é bonita.

Quando abordou o planeta, saudou respeitosamente o acendedor:

– Bom dia. Por que acabas de apagar teu lampião?
– É o regulamento, respondeu o acendedor. Bom dia.
– Que é o regulamento?
– É apagar meu lampião. Boa noite.

E tornou a acender.

– Mas por que acabas de o acender de novo?
– É o regulamento, respondeu o acendedor.
– Eu não compreendo, disse o principezinho.
– Não é para compreender, disse o acendedor. Regulamento é regulamento. Bom dia.

E apagou o lampião.
Em seguida enxugou a fronte num lenço de quadrinhos vermelhos.

– Eu executo uma tarefa terrível. Antigamente era razoável. Apagava de manhã e acendia à noite. Tinha o resto do dia para descansar e o resto da noite para dormir…
– E depois disso, mudou o regulamento?
– O regulamento não mudou, disse o acendedor. Aí é que está o drama! O planeta de ano em ano gira mais depressa, e o regulamento não muda!
– E então? disse o principezinho.
– Agora, que ele dá uma volta por minuto, não tenho mais um segundo de repouso. Acendo e apago uma vez por minuto!
– Ah! que engraçado! Os dias aqui duram um minuto!
– Não é nada engraçado, disse o acendedor. Já faz um mês que estamos conversando.
– Um mês?
– Sim. Trinta minutos. Trinta dias. Boa noite.

E ascendeu o lampião.
O principezinho considerou-o, e amou aquele acendedor tão fiel ao regulamento. Lembrou-se dos pores-do-sol que ele mesmo produzia, recuando um pouco a cadeira. Quis ajudar o amigo.

– Sabes? Eu sei de um modo de descansar quando quiseres…
– Eu sempre quero, disse o acendedor.

Pois a gente pode ser, ao mesmo tempo, fiel e preguiçoso.
E o principezinho prosseguiu:

– Teu planeta é tão pequeno, que podes, com três passos, dar-lhe a volta. Basta andares lentamente, bem lentamente, de modo a ficares sempre ao sol. Quando quiseres descansar, caminharás… e o dia durará quanto queiras.
– Isso não adianta muito, disse o acendedor. O que eu gosto mais na vida é de dormir.
– Então não há remédio, disse o principezinho.
– Não há remédio, disse o acendedor. Bom dia.

E apagou seu lampião.
Esse aí, disse para si o principezinho, ao prosseguir a viagem para mais longe, esse aí seria desprezado por todos os outros, o rei, o vaidoso, o beberrão, o homem de negócios. No entanto, é o único que não me parece ridículo. Talvez porque é o único que se ocupa de outra coisa que não seja ele próprio.
Suspirou de pesar e disse ainda:

– Era o único que eu podia ter feito meu amigo. Mas seu planeta é mesmo pequeno demais. Não há lugar para dois…

O que o principezinho não ousava confessar é que os mil quatrocentos e quarenta pores-do-sol em vinte e quatro horas davam-lhe certa saudade do abençoado planeta.

::: Continua ——————-

Uma mãe e a sua filha estavam a caminhar pela praia. Num certo ponto, a menina disse:
– Como se faz para manter um amor?
A mãe olhou para a filha e respondeu:
– Pega num pouco de areia e fecha a mão com força…
A menina assim fez e reparou que quanto mais forte apertava a areia com a mão, com mais velocidade a areia se escapava.
– Mamãe, mas assim a areia cai!!!
– Eu sei, agora abre completamente a mão…
A menina assim fez mas veio um vento forte e levou consigo a areia que restava na sua mão.
– Assim também não consigo mantê-la na minha mão!
A mãe, sempre a sorrir disse-lhe:
– Agora pega outra vez num pouco de areia e mantenha na mão semi-aberta como se fosse uma colher… bastante fechada para protegê-la e bastante aberta para lhe dar liberdade.
A menina experimenta e vê que a areia não se escapa da mão e está protegida do vento.

É assim que se faz durar um amor…

Quais são as causas de um final mau acabado de um namoro?

1– Possivelmente e provavelmente a pior de todas  é o ciúme. Este sentimento tem que ser comedido e não pode extrapolar em minha humilde opinião. Ele destrói facilmente com namoros.

2– Quando vira rotina. A coisa esfria, tudo fica normal e você acaba se acostumando com a pessoa e já não sente ou sabe se ainda gosta da mesma.

3– Falta de vontade de sair ou diferença muito grande de gostos. Exemplo: quando sua namorada adora sair para uma balada e você é o cara mais caseiro do mundo.

4-Traição não considero a maior causa pelo fato de nem sempre ser descoberta. Namorados tendem a ficar habilidosos na “arte da traição”.

5– Amigos ou amigas. Estes sempre estão incentivando você a ficar sozinho para poder curtir a vida com eles. Coisa mais normal de um amigo quando ve seu amigo namorando.“Cara se enforco, é agora se fodeu mermão“

6– Sexo ruim. Essa é uma causa que destrói qualquer relação. A coisa até podia ser boa no começo, mas se virar rotina e alguém não tentar apimentar o sexo, possivelmente é um caso potencial de fim do namoro.

7- Namoros que começaram muito cedo. Se você começou a namorar muito jovem e o namoro se arrastou por mais de três anos restam apenas duas soluções. Ou você acaba, ou você casa. Aí a sua cabecinha vai começar a medir o peso da responsabilidade e a juventude perdida. Fim de relação na certa.

 8- Caminhos diferentes na vida. Caso algum do dois tem um idéia de vida diferente do outro, provavelmente não vai abrir mão dos seus planos futuros. De novo duas opções. Ou muda a sua cabeça, ou termina. 

9 -Ter um filho prematuramente. Se você fez a cagada de não usar a borracha e sua mulher “embuxou”, possivelmente você vai ser um pai solteiro em menos de dois anos. A princípio vocês podem até manter a relação e até casar, mas com o tempo as coisas vão piorar e só mesmo um casal muito centrado pra segurar a barra.

10- Possessão e obrigação. Se o seu namoro atingir esse estágio significa que o fim está próximo. Se aquela vontade de ver a pessoa passa de vontade para obrigação a coisa está feia. Se a sua mulher não se contenta em ter você durante determinado momentos e passa a controlar a sua vida, só você sendo muito trouxa para aguentar o inferno que a sua vida vai se tornar!

Fonte: Globalizando o mundo dos blogs

Twittando por ai…

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Musicas – Last.FM

janeiro 2008
S T Q Q S S D
« dez   fev »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Links e Selos

Uêba - Os Melhores Links

WWF-Brasil. Cuidando do ambiente onde o bicho vive. O bicho-homem.

Firefox - Download

Quer Divulgar?

Selo Inatitude

Add to Google

BlogBlogs

BlogBlogs
Pingar o BlogBlogs
Adicionar aos Favoritos BlogBlogs

Web Rádio Studio

Visitas

  • 3.241.149 com atitude

In-Atitude Apoia:

Creative Commons License
Inatitude por https://inatitude.wordpress.com esta licença se refere a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.


Creative Commons License
Inatitude por https://inatitude.wordpress.com esta licença se refere a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.



Compras pelo e-mail: prof.medeiros@gmail.com ou através do site:
Adriano Medeiros