Um laptop educacional com valor abaixo de 100 dólares pode chegar às salas de aula. A promessa foi feita por Mary Lou Jepsen, ex-Chief Technology Officer (CTO) da organização One Laptop per Child, no web site de sua nova empresa, a Pixel Qi.

Segundo Jepsen, que deixou a organização criadora do XO, o ‘laptop de 100 dólares’, há duas semanas, a nova empresa pretende desenvolver microcomputadores de baixo custo e consumo de energia, bem como celulares e outros eletrônicos com telas que podem ser vistas à luz solar.

Ao anunciar sua saída da OLPC, Jepsen explicou que seu objetivo seria trabalhar com tecnologias que ela desenvolveu na organização, incluindo as telas adaptadas para funcionar com baixo consumo de energia.

No site da Pixel Qi, a especialista escreve que há um vasto mercado comercial para tecnologias criadas na OLPC e que os preços de equipamentos de próxima geração podem ser reduzidos por meio do uso de múltiplos avanços fundamentais da tecnologia.

A nova companhia continuará trabalhando em conjunto com a organização sem fins lucrativos, mas comercializará dispositivos para organizações comerciais, informou Jepsen, que participou da feira Consumer Electronics Show (CES 2008), em Las Vegas, nos Estados Unidos.

A promessa de fabricar um laptop educacional de 100 dólares foi feita pela OLPC em 2005, quando o projeto de inclusão digital foi lançado. Desde então, os esforços foram afetados por atrasos em produção e aumento nos custos, que levaram o laptop a custar os atuais 188 dólares.

Agam Shah, editor do IDG News Service, de Las Vegas
Anúncios